Biomas

Bioma é um sistema para classificar as comunidades biológicas e ecossistemas com base em semelhanças de suas características vegetais e animais. Como a vegetação é um dos componentes mais importantes da biota, seu estado de conservação e de continuidade definem a existência ou não de hábitats para as espécies, a manutenção de serviços ambientais e o fornecimento de bens essenciais à sobrevivência de populações humanas. O mapa a seguir mostra os diferentes biomas em escala mundial.

Mapa dos Biomas Mundiais

1zp4js9.jpg

Fonte: wikipedia.


O Brasil é formado por seis biomas de características distintas: Amazônia (48%), Cerrado (24%), Mata Atlântica (13%), Caatinga (10%), Pantanal (1,7%) e Pampa (2%). No mapa é possível ver a distribuição dos biomas no território nacional.

Para a perpetuação da vida nos biomas, é necessário o estabelecimento de políticas públicas ambientais, a identificação de oportunidades para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade.

Em termos percentuais, obtém os seguintes valores no que diz respeito a preservação dos biomas: Amazônia (85%), Cerrado (45%), Mata Atlântica (7%), Caatinga (30%), Pantanal (90%) e Pampa (10%).

Mapa dos Biomas brasileiros

biomas_grf01.gif

Amazônico

O bioma amazônico, chega a ocupar uma área de 4.196.943 Km², que corresponde mais de 40% do território nacional e é constituído principalmente por floresta tropical. A Amazônia passa pelos territórios do Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima, e parte do território do Maranhão, Mato Grosso, Rondônia e Tocantins. Este bioma é formado por distintos ecossistemas como florestas densas de terra firme, florestas estacionais, florestas de igapó, campos alagados, várzeas, savanas, refúgios montanhosos e formações pioneiras. Mesmo sendo o nosso bioma mais preservado, cerca de 16% de sua área já foi devastada, o que equivale a duas vezes e meia a área do estado de São Paulo.

O desmatamento, as queimadas, a garimpagem, o agropastoreio e a biopirataria representam os principais problemas ambientais enfrentados pelo bioma amazônico. O conjunto formado por essas ações devastadoras é responsável por graves mudanças climáticas em todo o planeta, como o aquecimento global.

A Amazônia é considerada um grande “resfriador” atmosférico e como maior abrigo da biodiversidade do mundo, algumas pesquisas indicam que na Amazônia existem cerca de trinta milhões de espécies animais.

Fonte: Instituto Brasileiro de florestas- IBF

O vídeo abaixo mostra um pouco sobre o bioma amazônico.

Cerrado

O cerrado é o segundo maior bioma brasileiro, perdendo apenas para o bioma Amazônico. Ele está presente em quase todas as regiões brasileiras incluindo: nordeste, norte, centro-oeste, e sudeste.

Esse Bioma caracteriza-se pelas suas diferentes paisagens que vão desde o cerradão (Sensu lato) com árvores altas, maior densidade e composições distintas, passando pelo cerrado comum (Sensu estricto) com árvores baixas e esparsas até o campo cerrado,campo sujo e campo limpo com progressiva redução da densidade arbustiva. Ao longo dos rios existem fisionomias florestais conhecidas como matas de galeria ou matas ciliares.

O Cerrado é considerado o berço das águas brasileiras, sendo cortado pelas três das principais bacias hidrográficas da America do Sul (Tocantins, São Francisco e Prata).

O Cerrado é uma das regiões de maior biodiversidade do planeta cobrindo aproximadamente uma área de 200 milhões de hectares,ou seja, 25% do território nacional(ARNS;ALVES,2007).
Tal situação,somado ao fato de que muitas espécies são endêmicas desse tipo de formação vegetal, fez com que esse importante Bioma fosse incluído na lista de hotsposts, sendo uma das regiões prioritárias para conservação da biodiversidade.

No entanto o Cerrado já perdeu metade de sua formação original para plantios como soja,algodão e cana-de-açúcar,pecuária extensiva,geração de energia e urbanização.
O quadro abaixo mostra a evolução do desflorestamento desse importante Bioma brasileiro entre os anos de 2014 e 2018.

Ano Área desmatada (km²)
2014 10.761
2015 11.881
2016 6.777
2017 7.474
2018 6.657
10htvgo.jpg

Fonte: google imagens

O mapa a seguir nos dá uma ideia visual da evolução do desflorestamento do Bioma cerrado ao longo dos anos.

qzepn6.jpg

Fonte:INPE

Você sabia que o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) lançou o Deter Cerrado?

Essa plataforma permite acompanhar em tempo real o a evolução do desflorestamento nos vários estados de ocorrência desse Bioma.

Basta acessar: terrabralis.dpi.inpe.br

De pé o Cerrado Vale mais! confira abaixo um vídeo produzido pela WWF BRASIL em comemoração ao dia Nacional do Cerrado (11 de Setembro), ressaltando as riquezas naturais desse ecossistema.

Uma das principais ameaças a essa exuberância de riquezas naturais é o avanço indiscriminado da fronteira agrícola sobre o Cerrado em especial a cultura da soja. Como mostrado no gráfico abaixo.


2djnw45.jpg

Não existem Leis específicas para o desmatamento no Cerrado, toda lei existente se baseia na Lei da Mata Atlântica. Porém o simples fato do cumprimento da lei não garante a sobrevivência do Cerrado. Um ponto importante a ser observado é que nesse Bioma é permitido desmatar legalmente até 80% da propriedade.

O vídeo abaixo mostra um pouco sobre o bioma Cerrado.

Caatinga

A caatinga equivale a 11% do território nacional brasileiro, em uma área com cerca de 844.453 km². Estão presentes nos estados Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e o norte de Minas Gerais. Considerado rico em biodiversidade, abriga 178 espécies de mamíferos, 591 de aves, 177 de répteis, 79 espécies de anfíbios, 241 de peixes e 221 abelhas. A biodiversidade da caatinga ampara diversas atividades econômicas voltadas para fins agrosilvopastoris e industriais, especialmente nos ramos farmacêutico, de cosméticos, químico e de alimentos. (Site: MMA)

No entanto, o bioma tem sido desmatado principalmente nos últimos anos de forma acelerada, devido a busca de produtos ao consumo de lenha nativa, explorada de forma ilegal e insustentável, para fins domésticos e indústrias, ao sobre pastoreio e a conversão para pastagens e agricultura. Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA), o desmatamento desse bioma já está na faixa de 46%, e com esse número o governo busca a criação de unidades de conservação federais e estaduais no bioma, afim de promover alternativas para o uso sustentável da sua biodiversidade. (Site: MMA)


Pantanal

O bioma Pantanal corresponde por 76% da área total do território brasileiro, é considerado uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta. Segundo o IBGE a sua área aproximada é 150.355 km².

Segundo a Embrapa Pantanal, estima-se quase 2000 espécies de plantas identificadas no bioma, 325 peixes, 53 anfíbios, 98 répteis, 656 aves e 159 mamíferos. Muitas espécies ameaçadas em outras regiões do Brasil persistem em populações avantajadas na região.

Este bioma vem sofrendo ação antrópica mesmo apresentando grande encanto natural. A principal forma de impacto gerado nesse bioma é a agropecuária que tem grandes proporções nas áreas de planalto adjacentes. De acordo com o Programa de Monitoramento dos Biomas Brasileiros por Satélite – PMDBBS, realizado com imagens de satélite de 2009, o bioma Pantanal mantêm 83,07% de sua cobertura vegetal nativa.

Apesar do bioma Pantanal manter 83,07% de sua cobertura natural, a atividade agropecuária vem causando impactos na composição da vegetação nativa de acordo com o Programa de Monitoramento dos Biomas Brasileiros por Satélite – PMDBBS, realizado com imagens de satélite de 2009. Apenas 4,6% do Pantanal encontram-se protegidos por unidades de conservação, dos quais 2,9% correspondem a UCs de proteção integral e 1,7% a UCs de uso sustentável (BRASIL, 2015).

Caracterização do bioma Pantanal

Caracterização do bioma Pantanal Área (Milhões de ha) %
Vegetação Remanescente 12,58 83,14
Área ocupada (Ações Antrópicas) 2,30 15,18
Água 0,25 1,68
Total 15,13 100

Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/monitorabiomas/pantanal/pantanal.htm

Mata Atlântica

O Bioma Mata Atlântica é composta por formações florestais nativas como: Floresta Ombrófila Densa; Floresta Ombrófila Mista, também denominada de Mata de Araucárias; Floresta Ombrófila Aberta; Floresta Estacional Semidecidual; Floresta Estacional Decidual.

Também é formado por Ecossistemas associados sendo eles: Manguezais; Vegetação de restingas; Campos de altitude; Brejos interioranos; Encraves florestais do Nordeste.

O Bioma Mata Atlântica abrange mais de 1,3 milhões de km² em 17 estados do território brasileiro, estendendo-se por grande parte da costa do país, devido à ocupação as ações antrópicas região, hoje restam cerca de 29% de sua cobertura original.
Estima-se que existam na Mata Atlântica cerca de 20 mil espécies vegetais, incluindo diversas espécies endêmicas e ameaçadas de extinção.

Devido o histórico de desmatamento da Mata Atlântica torna-se fundamental a conservação dos remanescentes e a recuperação da sua vegetação nativa, com a criação de áreas protegidas, como Unidades de Conservação (SNUC – Lei nº 9.985/2000) e Terras Indígenas (Estatuto do Índio – Lei nº 6001/1973), além de Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal (Código Florestal – Lei nº 12.651/2012). O bioma também é protegido pela Lei nº 11.428/2006, conhecida como Lei da Mata Atlântica, regulamentada pelo Decreto nº 6.660/2008.
(Site: MMA)

Após três anos de aumento, o desmatamento na Mata Atlântica diminuiu 56% entre 2016 e 2017, segundo o monitoramento realizado pelo INPE e pela Fundação SOS Mata Atlântica.
(Site: SOS MATA ATLÂNTICA)


Mapa do Desmatamento na Mata Atlântica

29ll7h0.jpg

Caracterização do Bioma Mata Atlântica

Caracterização do bioma Atlântica Área (Milhões de ha) %
Vegetação Remanescente 24,56 22,25
Área ocupada (Ações Antrópicas) 83,77 75,88
Água 2,06 1,87
Total 110,40 100

Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/monitorabiomas/mataatlantica/index.htm

Pampa

O Bioma Pampa abrange uma área de 176.496 km², ocorrendo apenas no estado do Rio Grande do Sul (IBGE, 2004). Isto corresponde a 63% do território estadual e a 2,07% do território brasileiro.

As paisagens naturais do Pampa são variadas, de serras a planícies, de morros rupestres e coxilhas, além dos campos nativos também e composto por matas ciliares, matas de encosta, matas de pau-ferro, formações arbustivas, butiazais, banhados, afloramentos rochosos, etc.

O Pampa apresenta uma grande biodiversidade de flora e fauna próprias, com estimativas de 3000 espécies descritas de plantas, com notável diversidade de gramíneas sendo estimada mais de 450 espécies.

Segundo o CSR/IBAMA em 2002 a vegetação nativa do bioma Pampa representava 41,32% e em 2008 restavam apenas 36,03%, devido a introdução de espécies exóticas de gramíneas para pastagem, têm provocado uma elevada degradação e descaracterização das paisagens naturais. (Site: MMA)


Caracterização do bioma Pampa


Caracterização do bioma Pampa Área (Milhões de ha) %
Vegetação Remanescente 6,41 36,06
Área ocupada (Ações Antrópicas) 9,60 53,98
Água 1,78 9,99
Total 17,78 100,00

Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/monitorabiomas/pampa/pampa.htm

Principais Famílias encontradas no Pampas:
Asteraceae - 380 espécies
Poaceae - 373 espécies
Fabaceae - 190 espécies
Cyperaceae – 118 espécies

[[=]]

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License