Manejo Florestal

O termo Manejo Florestal está presente no título deste livro, e provavelmente estava passado batido, não é mesmo? Mas pare um minuto e reflita sobre as duas perguntas abaixo?

  • O que é manejo?
  • O que é floresta?

Em 1958, o estudo encomendado pelo Ministério da Agricultura entitulado Escola Nacional de Florestas: necessidade de sua criação, o Agrônomo-Silvicultor Paulo F. Souza justificou a necessidade da criação de uma escola de Engenharia Florestal no Brasil. O curioso, é que dentre as 15 cátedras sugeridas para compor a formação dos futuros florestais, não havia a disciplina de Manejo Florestal.

Analisando as escolas florestais que serviram de referência para definição das matérias que comporiam a formação do florestal no Brasil, o conteúdo que hoje observamos na disciplina de Manejo de Florestas Naturais será encontrado distribuído em diferentes disciplinas, dentre as quais destacam-se: Silvicultura e Administração Florestal. E é justamente deste último que provavelmente derivou o que hoje chamamos de manejo florestal.

O estudo realizado por Paulo F. Souza, utiliza como principal referência a escola de Yale, nos Estados Unidos. Na língua inglesa, o termo utilizado é Forest Management, que pode ser traduzido como Administração Florestal, como Manejo Florestal ou como Gerenciamento Florestal. Desta forma, o termo "Manejo" ("Administração") tem contexto diferente quando compara-se as escolas florestais europeias e as escolas florestais americanas. As escolas europeias entendem o manejo como um enfoque mais silvicultural, ou seja, focam na intervenção e condução da florestal. Nas escolas americanas, o termo manejo tem um enfoque de ordenamento, planejamento, levando a um enfoque mais matemático.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o manejo florestal sustentável é a administração da floresta para obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema objeto do manejo e considerando-se, cumulativa ou alternativamente, a utilização de múltiplas espécies madeireiras, de múltiplos produtos e subprodutos não-madeireiros, bem como a utilização de outros bens e serviços florestais.

Essa atividade, desenvolvida em florestas nativas e não-homogêneas, implica a realização de uma exploração planejada, aplicando tratamentos silviculturais à floresta e com a extração de espécies previamente selecionadas. As experiências de manejo sustentável têm sido vistas como inúmeras possibilidades:

• Aumentar a produtividade da extração de madeira, reduzindo o
ciclo de corte e a área necessária;
• Preservar a biodiversidade, mantendo a qualidade da água e do
ar;
• Gerar benefícios socioeconômicos.

A etapa fundamental do manejo de florestas nativas é a realização do inventário florestal, que identificará as espécies com valor econômico presentes na área a ser explorada, bem como sua importância relativa para a preservação do ecossistema.

O inventário identificará, ainda, as condições sociais das comunidades presentes na floresta, permitindo que o plano de exploração não resulte em prejuízos de seu bem-estar. A partir do inventário, é traçado um plano de exploração que contemple a subdivisão da área a ser explorada em lotes (talhões), os quais serão explorados em seqüência. Quando o ciclo de exploração estiver completo, a extração de madeira deverá ocorrer novamente no primeiro lote explorado, o qual deverá ter se regenerado parcialmente.

O manejo florestal pode ser acompanhado de enriquecimento da floresta, ou seja, de plantio de espécies desejadas. Em geral, os planos de manejo de florestas nativas em execução no Brasil envolvem ciclos de exploração de 30 anos.

Este material, não se prenderá à nenhum do dois conceitos, mas sim na busca do conhecimento que possa ajudar na busca pela sustentabilidade dos recursos florestais. Você já parou para pensar:

  • Por que manejar uma floresta?
  • Quais os processos envolvidos no manejo florestal sustentável?
  • Por que as florestas são importantes para o bem-estar do planeta?

As florestas fornecem matéria prima para diversos produtos, seja madeireiro ou não madeireiro. Além disso, ela é um dos mais importantes reguladores do clima do planeta. Portanto o bom manejo vem ao encontro da utilização sustentável da floresta, isto é, explorá-la sem exaurí-la.

De forma esquemática e resumida, o plano de manejo é divido em três grandes sistemas:

  • Colheita
  • Silvicultural
  • Monitoramento
za71u.jpg
eeyvd.jpg

MATERIAL COMPLEMENTAR


Fonte: FATOS Florestais: caem mitos que opõem produção à conservação no Brasil. Direção de Gisela Moreau. Produção de Fernando Meirelles, Observatório do Clima e Produtora Imaginária. Intérpretes: Tasso Azevedo e Participação de Camila Pitanga. Roteiro: Oswaldo Braga de Souza, Claudio Angelo, Tasso Azevedo e Fernando Meirelles. 2019. (13 min.), Filme, color. Disponível em: <https://youtu.be/rM4SktDid2Q>. Acesso em: 24 jun. 2019.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License